Por Alister Doyle

OSLO (Reuters) - Lagos e rios emitem gases causadores do efeito estufa bem mais potentes do que se pensava, contrariando o papel da natureza de absorver os gases responsáveis pelo aquecimento climático, segundo um estudo divulgado nesta quinta-feira.

Um estudo de 474 sistemas de água doce, realizado por especialistas da Suécia, Brasil e EUA, indicou que os lagos emitem uma quantidade de metano equivalente a 25 por cento de todo o dióxido de carbono absorvido pelas áreas terrestres do mundo a cada ano.

Árvores e outras plantas absorvem dióxido de carbono, o principal gás causador de alterações climáticas, ao crescer.

'As emissões de metano de fontes de água doce são maiores do que o esperado', disse à Reuters David Bastviken, principal autor do estudo da Universidade de Linkping, na Suécia.

'Parte do carbono que é capturada e armazenada pela Terra é neutralizada pelo metano das fontes de água doce', de acordo com o estudo.

As emissões de metano, liberado pela decomposição da vegetação e outras matérias orgânicas em rios, represas, lagos e córregos, ainda não tinham sido colocadas em modelos adequados para a compreensão do aquecimento global, disse Bastviken.

Os resultados indicam que outros elementos da natureza, como as florestas, devem ser considerados como estoques naturais robustos de gases de efeito estufa, disse ele.

'Isso significa que as florestas e outros ambientes locais, como depósitos de carbono, são ainda mais importantes' para ajudar a contrabalançar o aquecimento global, disse ele. Estoques em solo 'podem ser mais raros do que o esperado'.

IGNORADO POR MUITO TEMPO

Bastviken disse que as emissões de metano de água doce não são uma ameaça ambiental nova, pois a presença do gás na atmosfera era conhecida anteriormente, mesmo que os cientistas não soubessem ao certo a sua origem.

'Isso sempre aconteceu. Nós apenas não prestávamos atenção', disse ele. Mesmo assim, ele disse que o degelo do permafrost da Sibéria ao Alasca também pode estar liberando mais metano do que quando estavam congelados.

A conferência climática da ONU em Cancún, no México, no mês passado, concordou com a criação de um sistema para deter o desmatamento mundial, da Amazônia até a bacia do Congo, a fim de desacelerar as mudanças climáticas.

O plano prevê incentivos às nações em desenvolvimento para proteger suas florestas, em vez de derrubá-los para dar lugar a fazendas, cidades ou estradas. O desmatamento é responsável por talvez dez por cento da liberação dos gases causadores do efeito estufa.

A acumulação de gases-estufa, principalmente pela queima de combustíveis fósseis em termelétricas, fábricas e carros, causará ondas de calor, inundações, secas e elevação do nível do oceano, segundo o painel da ONU de cientistas climáticos.

O metano, como um gás do efeito estufa, é cerca de 25 vezes mais potente que o dióxido de carbono.

Bastviken disse que os resultados não representam um argumento a favor da drenagem das zonas úmidas e lagos para a limitação das emissões de metano -essa ação poderia ter efeitos adversos, como a liberação do carbono armazenado nos sedimentos.